Falemos de acordos.
O que aprendi é que nunca é demasiado cedo para começar a ensiná-los e a praticá-los.

Sabem aquelas birras gigantes para sair do parque infantil, para pararem uma barulheira quando precisamos de acabar um trabalho, para devolverem um brinquedo ao irmão, para virem para a mesa…?

Então é assim, vou directa ao assunto, não adianta nada chamar 500 vezes, tentar que tenham empatia pelo nosso desespero, ralhar, gritar…
Nada.
Muito provavelmente o resultado vai ser que nos ignorem ainda mais, ou que comecem eles próprios a sentir e a replicar o nosso stress. Com a consequente bola de neve que isso faz.
É verdade que eles são pequeninos (os meus têm 3 anos), mas acreditem que já sabem muito bem o que querem e muitas, muitas vezes, o que eles querem naquele momento, não é nada coincidente com aquilo que nós queremos. E… verdade seja dita, porque é que eles têm de parar de brincar no horário que eu imponho para comer?

Por outro lado, não me dá jeito nenhum, ter a vida ao sabor da maré das suas vontades.

Então por aqui, desenvolvemos as seguintes estratégias:

  • Respeitá-los (acima de tudo, esta é a palavra chave)
  • Avisá-los do que os espera, com alguma antecedência
  • Comunicar quando não estamos de acordo
  • Fazer um acordo

 

img-20190114-wa0004-1.jpg

Photo: Cátia Sousa

A primeira vez que a eficácia dos acordos me atingiu, foi na hora de dormir.
Tenho 2 filhos. Gémeos. A hora de dormir nunca foi a situação mais calma cá de casa. Um cantava, o outro chateava-se porque queria dormir, um batia com a mão na parede, o outro começava a levantar-se… e por aí fora.
As minhas estratégias foram muitas:
– a pacífica: “amor, está na hora de dormir, agora não podemos fazer essas coisas, tens de fechar os olhos para o soninho vir…”
– a empática: “o teu irmão quer dormir, eu também quero ir para a cama, vamos respeitar…”
– a nada empática…: “escuta, queremos dormir, se não páras e não tens sono, tens de sair do quarto” (sendo que o resto da casa estará escuro)
Conseguem compreender para onde isto se dirige, certo?…
Resultados? Uma vez ou outra, qualquer uma das três, ou outras, terá funcionado. Mas recorrentemente? Não. De todo.

O resultado era essencialmente uma mãe frustrada, a achar que não consigo que os meus filhos me respeitem (muito diferente de “que me obedeçam”, que não é uma aspiração minha).

A determinada altura, devo ter tentado a frase mágica:
– Quantas vezes mais precisas de fazer isso? Uma, duas?
Algum terá inocentemente dito duas e assim foi. Terá cantado, saltado na cama ou gritado alto, duas vezes contadas em voz alta, por mim.
“Pronto filho, obrigada por teres parado” (mesmo que ainda não o tenha feito).

Qual é o efeito disto?
O meu filho sentiu-se ouvido na sua necessidade (por absurda e stressante que seja para nós) e teve independência para ser ele a controlá-la.
Esta dádiva de lhes dar o comando da situação é muito importante para eles.

Se repararem bem, as suas curtas vidas são uma longuíssima enciclopédia de nãos.
E convenhamos que, mesmo para nós, uma vasta série de nãos é uma vasta fonte de stress.

O acordo vem equilibrar a balança.
Há coisas de que não abro mão e sou eu que decido (enquanto eles anda estão em aprendizagem): a segurança, a educação para com os outros, o respeito pela vida…
Há coisas em que lhes posso dar uma pequena vantagem, que os faz serem mais confiantes e sentirem-se mais em pé de igualdade comigo. E sim, para mim isto é importante.  É importante que eles se sintam com o mesmo valor e direitos que eu.
Acredito que se me virem a respeitá-los desde crianças, façam o mesmo comigo quando forem mais velhos.

Mas o acordo faz também com que aprendam que nem tudo gira à volta dos seus desejos e tempos, e às vezes é preciso fazermos concessões em prol do bem estar ou desejos das outras pessoas. E isto, para mim, também é uma aprendizagem muito importante.
Já conheci alguns adultos que ainda não aprenderam isto…

img-20190114-wa0020

Photo: Cátia Sousa

Assim sendo, deixa alguns exemplos de algumas situações específicas que acredito que todos passem:

Parque Infantil (ou casa de amigos, ou loja de brinquedos)

– 5 minutos antes de eu me querer efectivamente ir embora, vou avisá-los:
“Amores, daqui a pouco tempo temos de ir embora, porque ….(temos de ir comer, o pai está a chegar, blablabla). Podem andar mais um bocadinho e depois vamos”
– 2 ou 3 minutos antes (sendo que os meus ainda não têm grande noção de tempo), vou dizer-lhes:
“Pronto, está na hora, quantas voltinhas queres fazer mais antes de irmos embora?”
Por norma dizem 2 ou 3, eu conto alto, para eles saberem a quantas estão, e no final do combinado, os meus miúdos saem pacificamente de qualquer lado.

Ir para a mesa

–  10 minutos antes vou dizer-lhes:
“Amores, o jantar está quase pronto, mais um bocadinho para brincar e depois vão lavar as mãos”
– 5 minutos antes:
“estou mesmo a acabar o jantar, quantas voltinhas ainda vais dar com esse tractor?”
– 2 minutos antes:
“já acabaste as voltinhas? o jantar vai para a mesa”

Não é tão pacífico quanto o sair de uma zona pública. Estão em casa, no seu canto de segurança, por isso, por vezes lá há um que fica a brincar e não quer vir jantar.
Mas por aqui, como já disse antes, respeitá-los, não significa não impôr regras.
A hora da refeição é para estarmos todos. Eu estive a cozinhar para a nossa equipa família, por isso é preciso valorizar o meu trabalho e o momento em família. Quem não vem para a mesa, quando a comida vai para a mesa, já não come.
E é um facto, houve um dia em que ficaram ambos sem almoçar.
Se foi fácil para mim? Não.
Mas expliquei-lhes com toda a calma, que a hora da refeição já tinha acabado. Eu tinha chamado e eles tinham escolhido brincar e não comer, portanto agora tinham de lidar com a consequência.
Uma birra de 1 hora e um lanche super reforçado depois, a verdade é que resultou.
Agora, o acordo que vos disse em cima, não contabilizando um atraso ou outro, que aqui não somos a tropa, funciona muito bem.

Ir às compras

Ir ás compras com crianças pode ser muito stressante. Nós temos os nossos objectivos e eles não estão nem para aí virados.
No supermercado (e nós gastamos um bocado de tempo porque compramos muita coisa a granel) o truque é usar muito bem os carrinhos de compras. Podem andar sentados, podem andar em pé, lá dentro, podem conduzi-los (sim, com supervisão e longos corredores). Mas sobretudo envolvê-los nas compras em si. São eles que vão buscar produtos, que põem os legumes nos sacos (de pano!), que dizem o número para pôr na balança (e às vezes que o marcam).

Mas quando as compras são roupas ou outros produtos do género, a coisa é mais complicada. Nós normalmente só vamos às lojas de roupa nos saldos, mas como decidimos ter pouca roupa e de qualidade para durar mais (para bem do Planeta e dos trabalhadores escravizados pela indústria da moda), a busca é um bocadinho mais demorada.
Nessa altura, chegam os acordos.
Escolhemos um sitio que tenha as lojas que nós precisamos, mas que também tenha 2 ou 3 opções de brincadeiras para eles. E o acordo é:
– Agora vamos a 3 lojas de roupa comprar o que a familia precisa e a seguir vamos à zona dos escorregas. Depois vamos a mais duas lojas e vamos às bolas. E assim sucessivamente.
Às vezes há lojas que já têm entretenimento para os pequenitos, como a Kiabi. Ou há lojas que mesmo não indo lá comprar nada regularmente, fazem as delicias dos pequenitos, como a dos Legos ou uma livraria com uma boa secção de criança.
Por aqui temos a sorte de eles não pedirem para comprar nada. Nunca os habituámos a isso, por isso não entrou no registo deles. Sabem que o dinheiro é importante para pagar a comida, a casa e o carro para nos deslocarmos. E que se houver dinheiro a mais, às vezes compramos uns miminhos para a familia, incluindo brinquedos. Mas não é uma prioridade nem habitual, por isso não é referência para eles.
De qualquer forma, o importante é cumprir o que se diz. Ir contando as lojas e lembrando que a seguir é o tempo de fazer o que eles desejam. E nesse tempo, não vale entrar e sair. Direitos são direitos e é importante que eles sintam que o tempo para fazer o que eles gostam também é válido e importante.

Continua a ser um processo cansativo (sacos e putos e tempo a passar… vá… não é uma boa combinação). Mas é um processo de respeito e aprendizagem. Funciona muito, muito bem.

Dar o brinquedo ao irmão

Esta foi a que mais custou, mas a que deu mais resultados, porque ultrapassou a esfera da relação pais/filhos para abranger também a relação fraternal.

Portanto, façam-me o favor de ler mentalmente, acompanhado de muitos gritos e muito choro:
– “Oh mãe, o mano roubou o binquedo”
– “O mano já tava a bincar há muito tempo”

Explicadas todas as técnicas de “primeiro pedes, roubar não, perdes a razão, também não gostavas que o mano te roubasse a ti, etc, etc, etc…”, a melhor técnica, foi a do acordo:

–  “Oh mãe, o mano já tá a bincar há muito tempo com o carro”
–  “Pergunta ao mano quanto tempo é que ele precisa de brincar mais, para depois partilhar contigo”
– “Tantas vezes” – responde com despeito, o detentor do objecto desejado
–  “Mas eu não queo, eu queo bincar agora” – grita o que não tem o brinquedo
–  “Amor, o mano gostava de brincar também com esse brinquedo, achas que gostavas de trocar com o que o mano tem, e depois podiam combinar quantas vezes brincam e  se quiserem trocam outra vez”
– “Mano, qués trocar o binquedo comigo?” – pergunta o desesperado, em soluços reprimidos (roubar é muito mais fácil…)
– “Só vou bincar mais 2 vezes e depois já tá, sim?” – acaba por responder sem custo o que não queria trocar.
E fica resolvido. A partir dessa frase, o outro já está contente, porque a vida já não é uma incerteza, já sabe o que o espera.

img-20190114-wa0023

Photo: Cátia Sousa

Às vezes nem há troca. Muitas vezes, ao fim de um longo ano de mediação, eu já nem me intrometo.
“Fala com o mano, cheguem a um acordo”.
E eles já fazem um acordo entre si. Por norma, o seu tempo de duração é uma mão cheia.
“Eu so vou bincar isto (mão cheia) e depois dou a ti, sim?”

Já vi um deles tentar entrar em acordo com uma menina sobre quantas voltas no triciclo ela daria, antes de lhe emprestar a ele.
A menina não sabia destes acordos e ia-lhe passando por cima 🙂
Ainda assim, mesmo que o acordo ainda não seja uma moeda de troca muito fluente entre os pares deles, eu acho importante que eles saibam praticar esta atitude tão importante nas relações humanas.
Saber reivindicar os seus direitos enquanto se tenta respeitar os direitos dos outros. Aprender a fazer cedências. Entrar em acordo.

Quanta diplomacia deste género está em falta em muitos governos no nosso globo…?

A educação é sem dúvida uma experiência laboratorial… eu, definitivamente, não sei o que está certo ou errado. Só faço o meu melhor. E espero que estas dicas vos ajudem, em alguma altura mais conturbada.

Que plantemos amor!

Uma grande solução para não poluir o ambiente é usar fraldas reutilizáveis.
Segundo um estudo da Quercus cada bebé usa por mês uma média de 250 fraldas descartáveis durante 2 a 3 anos. Ou seja, cerca de 9000 fraldas em 3 anos.

Agora pensemos bem. Cada fralda, atenção, cada fralda, demora entre 500 a 600 anos a decompôr-se.
Ora, convenhamos, que é no mínimo muito estranho uma fralda com os nossos dejectos  de bebé ainda andar cá quando até os nossos trinetos já tiverem morrido… Mas pior ainda, é o mal que faz ao nosso planeta, ao nosso corpo com os seus inúmeros químicos e claro, por consequência, à nossa existência!

0a61143dd949175b5a1aadc2c4569332

Por isso, nós por aqui usámos fraldas reutilizáveis. Para proteger o ambiente, a pele dos bebés e a nossa bolsa!

Lá mais para baixo, dou umas dicas de fraldas para comprar, mas a aventura começou comigo a fazer fraldas durante a gravidez, a partir de pijamas velhos e velhas toalhas turcas 🙂

img_8905

A minha obra prima 🙂 :img_7747.jpgTambém optámos pelas Toalhitas reutilizáveis

As toalhitas e a forma inconsciente como as usamos a torto e a direito, são um dos maiores poluentes caseiros que fazemos.
Mais do que isso, a Organização Mundial de Saúde recomenda que os bebés sejam limpos com tecido ao invés de com toalhitas descartáveis impregnadas de químicos agressivos, muitas vezes alguns considerados como potencialmente cancerígenos.
Portanto, continuámos com o tecido para proteger os rabinhos das assaduras.
Isto são algumas das toalhitas, também reaproveitadas dos velhos pijamas e toalhas. A limpeza era com água com umas gotinhas de óleo de amêndoas doces.
O mais natural possível para a pele dos nossos gémeos. Passados 3 anos ainda as uso.

O mesmo serve para lenços para assoar o nariz. O nariz nunca fica assado e o nosso futuro e o ambiente agradecem.

img_7782.jpg

Agora vamos a preços:

O investimento inicial das fraldas reutilizáveis, parece ser mais elevado do que os das fraldas descartáveis.  Cerca de 500€, o que é o equivalente a meio ano de fraldas descartáveis. Mas, atenção, com uns ajustes ou outros, ocasionais, é um investimento até ao desfralde do bebé (+- 3 anos). Conquanto as fraldas descartáveis, com todos os males para o ambiente e para a pele, em 3 anos terão um custo aproximado de 3000 euros… Posto desta forma…
No entanto pode-se sempre contornar a questão de um investimento inicial elevado através das seguintes maneiras:
– pedir à família e amigos para darem uma ou duas fraldas cada um, no chá de bebé ou na visita à maternidade. Cada fralda nova custa no máximo cerca de 20€ cada uma, as mais caras.
– Pode-se comprar em 2ª mão. Esta é uma vantagem das fraldas reutilizáveis. Bem desinfectadas podem ser usadas num irmão mais novo que venha para aí, ou num sobrinho que esteja a chegar. E nesse caso, o investimento passa ainda a ter um valor mais reduzido pois serviu para duas ou mais crianças.
Há grupos no facebook, por exemplo, que vendem as fraldinhas em 2ª mão, em excelente estado, por metade do seu preço original.

É muito importante, juntarem-se a grupos virtuais e ver as criticas às várias marcas de fraldas. Há umas que são de facto muito más e dão muitas fugas. Vale a pena perder uns dias a pesquisar bem, para minimizar os riscos do investimento e a eficácia do uso. Afinal, também percorremos várias lojas em busca dos melhores sapatos e neste caso, é algo que vai durar e ser usado intensivamente durante 3 anos…

visual-disposables-vs-cloth.jpg

A experiência cá por casa:

Practicidade –  Nós usámos a grande parte do tempo e tínhamos, claro, 2 crianças em fraldas ao mesmo tempo. Não acho que haja necessidade de irmos além das nossas capacidades para fazer nada, por isso houve alturas em que as fraldas reutilizáveis não eram a solução ideal. As descartáveis são indubitavelmente mais práticas e não requerem qualquer trabalho. Por isso, de vez em quando aproveitei os seus benefícios. Mas como em consciência sabia que isso não era o correcto, rapidamente ajustava melhor os absorventes, os tamanhos, para que não houvesse fugas, e lá iamos nós, de consciência tranquila e experiência tranquila com as reutilizáveis.

img_7749.jpg

Pele – A nível da pele, posso dizer que em 3 anos os nossos miúdos ficaram com a pele “assada” 3 ou 4 vezes e só nessas alturas específicas usaram aqueles cremes cheios de químicos. (O facto de dizerem aos pais para usar esses cremes todos os dias na pele ultra sensível e influenciável dos bebés, ultrapassa-me por completo). Compensa bastante usar pano, agua e um creme natural!

Visual – Em termos de visual não havia dúvida, os nossos putos ficavam mesmo giros com estas fraldinhas!

h-4-meses-0.jpg

h-9-meses-0.jpg

Resiste-se?…

Então, vou dar-vos um apanhado das opções que andam por aí, para depois poderem pesquisar a vosso gosto.

a) Pré-dobradas que podem ser mais elaboradas com absorventes por dentro, como estas da foto, ou podem ser as velhinhas musselinas usadas pelas nossas mães.

IMG_8374b) Ajustadas
Usam-se sobretudo de noite por serem mais absorventes. Estas são feitas de bambu ou cânhamo – materiais excelentes para a pele dos bebés.

Captura de ecrã 2018-11-30, às 00.40.01

Por cima aplicam-se as capas impermeáveis, que fazem com que não haja fugas.

c) Fraldas de bolso
já muito parecidas com as descartáveis (só é preciso tirar o absorvente de dentro para lavar).
E MUITO mais fofinhas do que as descartáveis 🙂

img_7781

d) as AIO
As AIO são tal e qual as descartáveis, só que no fim, em vez de ir para o lixo, lavam-se e reutilizam-se.

Ajudas extra:
Para colocar na fralda (serão a primeira camada junto à pele do bebé):
Fleeces –  os polares, podem comprar ou fazer como eu, que recortei de uma manta de 3 euros e que cumprem 2 funções:
– deitar mais facilmente os cocós para a sanita
– manter a pele do bebé mais seca
Liners – Toalhitas secas de papel biodegradável que se podem colocar directamente na sanita como o papel higiénico.
Servem para o mesmo que os fleeces, uma maior facilidade na remoção das necessidades sólidas.

Os ganchinhos chamam-se snappies e substituem os antigos alfinetes 🙂

img_7778.jpg

Como se lavam?
Como a roupa!! Na máquina!! Depois de deitar os cocós fora (o que os fleeces e liners tornam mais fácil), podem colocar-se num caixote à parte com um pouco de óleo de Tea Tree (desinfectante natural e inibidor de cheiros) até acumularem suficientes para a lavagem. Depois lavam-se com o detergente normal, sem amaciador, e alguns detergentes ecológicos especiais que ajudam bastante na limpeza, são baratos e duram imenso.

Para mais informações procurem por exemplo o grupo do facebook Fraldas Reutilizáveis onde vão encontrar muita ajuda.

Pelo bem do ambiente, do nosso futuro, dos bebés sem químicos e da nossa economia, experimentem!

Finalmente consigo responder às perguntas que me têm enviado-
Que alimentos devemos tomar para nos fortalecermos?

Aqui ficam as soluções da nossa família.
Cá por casa, a saúde respeita-se.

1- Em primeiro lugar, não comemos carne, nem peixe, nem lacticínios o que já nos deixa de fora de uma boa dose de químicos e antibióticos.

2 – Depois tentamos comprar coisas biológicas, sempre que possível, e o que não é possível, lavamos muito bem.
Uma solução de sal e água (1 para 9) parece ser extremamente eficaz na redução de químicos nos vegetais e fruta.
nutrition facts

44174447_312825352780997_9015501838841020416_n.jpg

3 – Depois apostamos na prevenção.
Mexer na terra e apanhar as bactérias boas (esquecidas no nosso mundo sobrehigienizado) e andar ao ar livre. Muito, muito, muito. (Chuvinha miudinha e saltos nas poças incluídos)

44115716_491071041388051_4885535302178832384_n.jpg

4 – Usar alguns alimentos que ajudam a fortalecer e imunizar o nosso sistema.
Assim, quando chega o Outono, por aqui, para evitar as vacinas anti-gripe, começo logo a colocar curcuma e gengibre na comida.
No entanto, este ano, tenho um aliado novo.
Há um produto biológico, de ingredientes naturais, que engloba uma série de anti-inflamatórios naturais.
Chama-se Golden Milk e tem curcuma, canela, pimenta e gengibre e é só pôr uma colherzinha no leite e “já está”, como dizem os meus filhos. Temos bebido todas as manhãs. O meu, numa caneca muito especial, pintada pela minha avó…
E neste dia o leite era de avelãs. Caseiro.

44091787_330971251002503_700797298153619456_n.jpg

Também apostamos no alho, cacau (sem açúcar), tomilho, aipo…
São muitos os alimentos com propriedades anti-inflamatórias.

5 – No entanto, de vez em quando, lá acontece, o nariz começa a pingar, às vezes a garganta a doer. Nessa altura passamos ao chá em doses industriais.
Limão, gengibre, cravinho e canela.
Mais uns vapores e lavagens do nariz e com os miúdos resulta quase sempre e a mim ajuda-me imenso.

44121406_247107275976383_1936858035192332288_n.jpg

6 – Se mesmo, assim, os sintomas não passarem, é tempo de agir. Com anti-inflamatórios?
Não, ainda não.
Aqui passamos às bolinhas da homeopatia com o Dr. Nuno Oliveira.
Ou à acupunctura com a Dra. Joana Teixeira.

Só depois passaríamos aos químicos…
Mas a verdade, é que os meus miúdos, pés sempre descalços, pouco agasalhados, sempre destapados a dormir, há quase 2 anos que não tomam um anti-inflamatório. E muito menos um antibiótico.

Por aqui resulta e eu sinto-me realmente feliz e orgulhosa.
Como nada disto tem efeitos adversos como os dos medicamentos, que tal tentarem também?

Contem-nos as vossas mezinhas!
E plantemos amor.

Hoje é dia da raiva.
Que estranheza existirem estes dias de celebração de coisas que não interessam.
E no entanto, isso leva-me a pensar no seu oposto.
A calma.
Eu que já acalentei propositadamente mágoas que descambaram num cultivo impróprio de raivas no meu peito, hoje, busco acima de tudo… calma.
Hoje, como esposa, como profissional e sobretudo, como mãe, vejo a calma como um superpoder.
DSC_0268
Os meus filhos não vão à creche. Sou mãe a tempo inteiro, revezando-me o melhor possível com o pai e quase sem família por perto para ajudar.
Com uma quinta por cuidar e pelo menos duas profissões para realizar… não é fácil.
Tenho dois miúdos de 3 anitos acabados de fazer, que trepam tudo o que seja vertical (ou mesmo diagonal e periclitante), cujas brincadeiras predilectas são água (não importa de que fonte e para que fim) e espalhar brinquedos (os poucos que têm) pelas várias divisões da casa.
E enfim, são dois irmãos da mesma idade, e tão depressa estão a planear conjuntamente a próxima traquinice, e a rir desalmadamente um com o outro, como qualquer pequeno pretexto serve para implicância e consequente choro, (diria… berreiro), e até agressões.
Tenho dois miúdos que são ávidos de descoberta e que, face à ainda normal dificuldade em aceitar nãos, revelam os seus mais agudos e temíveis gritos, e os desoladores beicinhos de discordância.
Tenho dois miúdos que se zangam e que se enervam.
E o que sei é que a experiência me tem mostrado que a calma é um superpoder.
Eu tenho um semblante relativamente calmo, uma voz baixinha e muitas ferramentas para saber lidar com todas as dificuldades de ser mãe.
Mas… nao sou de ferro.
E não são tão raras as vezes quantas gostaria, em que um grita e eu elevo também a voz. Em que descambo para a chantagem em ralhete: “se não páras, acontece isto ou perdes aquilo…”
Mas sou consciente. Quando faço coisas de que me não orgulho, recrimino-me, se achar que é válido peço desculpa e sobretudo tento de imediato voltar ao caminho que tracei para a educação deles (e minha reeducação).
Mas ainda assim, estes momentos ocasionais, são um bom exemplo de como a raiva, os nervos, o stress e o fraco discernimento são uma espiral.
Se eu ralhar com a voz mais alterada, os meus filhos respondem-me aos gritos, a roçar a má-educação.
Se eu respirar antes de me alterar (inspirar e expirar ajuda a acalmar), se me ajoelhar perto deles, se falar baixo e docemente, se aplicar a entreajuda… bolas, como o resultado é magnífico.
“Estás zangado? Eu percebo. Precisas de te acalmar, para conseguires pensar como deve ser e resolver esse problema. Precisas da minha ajuda?”
E é ver as suas carinhas até aí mascaradas com o biquinho de mau e os olhos zangados, a desabarem por completo.
Quantas vezes, em momentos de fúria, também nós só precisamos de alguém que nos diga: “Eu compreendo-te. Precisas de ajuda?”
Quantas vezes um abraço de alguém é suficiente para conseguirmos restabelecer o juízo e agir com nexo?
IMG_7696
No caso deles, crianças ainda puras dos moldes da sociedade, é ainda mais notório. E não quer dizer que resulte em 100% das birras que fazem, mas resulta seguramente em 90% de forma mais ou menos rápida.
O facto de me manter calma, apesar de a situação me pôr a fervilhar por dentro, resolve o assunto tão mais eficientemente do que se eu me puser a gritar mais do que eles.
É certo que tenho de parar o que estou a fazer, é certo que me leva ali 5 ou 10 minutos de colinho e abraços e conversa, exactamente no momento em que tinha de enviar o e-mail urgente ou pôr o jantar ao lume… mas mal esse tempo acaba, os meus filhos são outros. Dispõem-se a fazer exactamente aquilo que não queriam e que originou a birra, sentem-se tranquilos e, mais importante do que tudo, sinto que a sua confiança em si próprios e em mim cresce notoriamente.
Um dos ensinamentos que mais me orgulho de lhes passar e aprender com eles, é que somos nós quem controla as nossas birras, os nossos nervos, as nossas frustrações…
“Estou muito zangada” – digo-lhes às vezes, depois do primeiro grito, à visão de uma qualquer colcha pintada a caneta de feltro – “preciso de respirar para me acalmar”.
Eu sou o exemplo. Eu assumo as minhas fraquezas e corrijo-me em frente a eles.
Não preciso que me achem perfeita. Preciso que saibam que faço o melhor para ser boa mãe e que isso as vezes significa perceber que estou errada ou que ainda não sei tudo.
Por norma, sentam-se comigo a respirar também. Por vezes abraçam-me ou fazem-me festinhas. “Já tás feliz, mãe?”
“Já acalmei, sim. Podemos falar?”
E a verdade é que falado, em vez de ralhado, se tem revelado muito mais eficiente para que não volte a acontecer.
DSC_0652
Imaginem o que seria as pessoas conseguirem escutar-se umas às outras em vez de entrar em espirais de discussões.
Imaginem o que seria crescermos todos assim e isto dar realmente resultado. Imaginem o que seria as nações respirarem e conversarem antes de decidirem entrar em mais uma absurda e dramática guerra…
Hoje, no dia da raiva, penso, constato e sei que a calma é um superpoder.

Cá estamos

Hoje resolvi fazer as tabelas que me fizeram muita falta em todo o meu processo de mudança de alimentação, e que espero que ajudem a descomplicar o vosso processo dos primeiros tempos.
Estas tabelas e dicas, são todas baseadas nos Manuais da Direcção Geral de Saúde, nas dicas das nossas nutricionistas e na nossa própria experiência familiar.
No entanto (!) não invalidam a vossa própria visita a um nutricionista informado, sobretudo  se estivermos a alterar a alimentação de crianças (!).

A maioria da população ocidental tem uma alimentação inadequada (associado a um estilo de vida de stress), o que tem resultado na proliferação de tantas doenças cardiovasculares, diabetes, cancro, obesidade, esgotamentos, depressões…

A alimentação vegetariana bem planeada é muito mais saudável para o nosso corpo, para a nossa consciência e sustentável para o Planeta.

Por vezes parece difícil acertar com as combinações. Este é o meu descomplicómetro 🙂
sempre atento a novas informações da comunidade cientifica e portanto em possibilidade de mudança.
Todos os documentos estão disponíveis em PDF para impressão e acesso a links, no fim da publicação.

Para começar o dia:

Captura de ecrã 2018-10-14, às 12.18.35

Para os almoços e jantares:

Captura de ecrã 2018-10-14, às 12.25.29

Muito importante – os complementos necessários para obtermos todos os nutrientes:

Captura de ecrã 2018-10-14, às 12.28.34

Lista dos Alimentos de Origem Vegetal que nos providenciam as vitaminas, minerais e oligoelementos necessários à nossa saúde.
Às vezes dá jeito saber:

Captura de ecrã 2018-10-14, às 12.31.16 1.png

Algumas dicas extra, que fazem falta:

Captura de ecrã 2018-10-14, às 12.28.47

E por fim, endereços úteis para receitas e muito mais informação nutricional:

Captura de ecrã 2018-10-14, às 12.34.38

Para ver com melhor qualidade, aceder a links e imprimir para a porta do frigorifico :), cliquem aqui:

Pequenos Almoços, Lanche e Snacks

Almoços e Jantares

Complementos Necessários a Alimentação Vegetariana Saudável F

TABELA DE VITAMINAS

Endereços Úteis

Espero ter ajudado.
Que continuemos a plantar amor.

 

Meus filhos

Hoje escrevo-vos a ver o rio.

Lembram-se de vos falar na bisavó Amélia?

Foi com ela e com a vossa avó que vivi até aos meus 20 anos.

A minha avó Amélia morreu há 9 anos.  Hoje quando vos deixei, disse-vos que ia buscar a avó Amélia para a pôr nas flores. Um conceito muito estranho para os vossos 3 aninhos.

Por isso esta carta não é para hoje. Tal como as outras, é para lerem mais tarde e se possível tirarem alguma lição dela.

Hoje fui buscar os ossos da avó, mas por uma estranha e triste aventura, os ossos da avó não eram dela. Tinham uma prótese e a avó não tinha nenhuma prótese.  Perdi a avó Amélia, meus amores.

Plantei os fetos e as avencas que ela gostava ao lado da nossa parede para neles se enraízarem as cinzas da avó Amélia e ela ali ficar, junto de nós, parte da terra.

Mas quis o destino que assim não fosse e a mãe viu-se, a chorar, numa contenda em busca da avó no sítio dos mortos não reclamados.
E é por isso que vos escrevo.
O sítio dos mortos não reclamados é uma casa velha cheia de sacos pretos cheios e fechados. Alguns têm mijo de gato em cima.  Há uma pia muito grande onde estão um crânio com terra e vários ossos grandes e pequenos como um velho puzzle.  Há uma sanita suja atrás de uma porta, e mesmo ao lado escondem-se mais uns quantos sacos pretos.
Dentro desses sacos, filhos, estão pessoas.
Pessoas que já não existem e que já não existe ninguém que as queira pôr nas flores.  Pessoas que viveram como nós. Que brincaram, que deram o primeiro beijo, que se apaixonaram e discutiram, que trabalharam para ter dinheiro, que passearam e sorriram e choraram como nós…
Ali, no chão, dentro de um saco preto com mijo de gato em cima…

Numa prateleira estão 5 ou 6 caixas da fruta, com ossos.  Supostamente uns deles são a Avó Amélia. Só que não são, porque a Avó Amélia não tinha nenhuma prótese…

Hoje foi a primeira vez que eu vi um esqueleto sem ser de plástico, ou sem ser na distância fria de um filme…

Na minha demanda por encontrar a Avó Amélia, fui, em lágrimas, em busca de um dos coveiros que teria levantado a avó da campa que, ironicamente, trabalha agora num talho.

E o que vi foi isto, e, reparem amores, que o que nós somos é também isto:

Iguais, meus amores.

Somos todos só isto.

Moramos aqui. Neste minúsculo planeta iluminado pelo Sol…

Somos tão importantes como a lagartixa de quem vocês às vezes correm atrás.  Como o coelho ou a vaca que é uma mãe extremosa e a quem se arrancam filhos para o prazer dos humanos. Entendem porque é que não quero comer um ser que pode ter outro à procura dos seus ossos?

No fim, tal como eles, somos só isto…

Acabamos assim.

Eu não conheço as pessoas que estavam nos outros sacos. Mas sei as histórias da Avó Amélia.  Sei que cuidou, ainda menina, dos irmãos mais novos quando o pai morreu, que sofreu muito na vida, no casamento, que teve 3 filhos, que lutou muito para ter dinheiro para dar um curso aos filhos (que estupidez não lhes ter dado antes o tempo de os fazer felizes), que criou a neta, que sou eu, enquanto lavava as escadas de outros e me ensinava a cantar. Que gritou, chorou e sofreu com toda a sua intensidade os, alguns pequenos, problemas da vida.  Que lamentou ate ao fim do seu juízo, a porcaria do cordão de ouro desaparecido…a tristeza de eu não ter um curso (eu que agora sou quase Mestre, quando quis, quando foi o tempo…).
Que sorriu quando ouvia aplaudirem-me, quando lhe dava um beijo…
Uma mulher, uma mulher como todos nós.
Agora é assim… Um conjunto de ossos, muito parecido aos de plástico e aos dos filmes.

Somos só isto, meninos. Somos só isto!

As vezes também eu me vejo em luta por mais dinheiro que dê para comprar mais isto ou mais aquilo.  As vezes também eu me vejo a discutir ninharias, desamores, desamizades, desumanidades…

Para um dia chegar ali… A um monte de ossos num saco plástico…

E é por isso que vos escrevo hoje. Queria dizer-vos que vou tentar criar-vos a saberem desta humildade do pequenos que somos…

Queria pedir-vos para, se eu conseguir ensinar-vos bem, de vez em quando me lembrarem também do mesmo.

Que eu não me deixe iludir. Que me lembre de que se viemos aqui a este minúsculo planeta, como seres absolutamente insignificantes que somos, para que o nosso tempo de existência importe, só podemos fazer duas coisas que realmente interessem.
Sobreviver ou viver.
Amar ou odiar.

Eu escolho Viver e Amar.

Podemos descobrir a penicilina, a luz, a música clássica e a pintura cubista…podemos durar até alguns séculos na mente das gerações… a ciência, a arte, o dinheiro, o  nome… que importa? Seremos ossos.

Até o amor, de facto, termina.  Os vossos bisnetos, se os tiverem, já não me irão amar…

Mas se eu tiver contribuído, anonimamente, para que ainda haja planeta quando eles nascerem, se eu tiver contribuído para que vocês saibam o que é uma família, uma comunidade, o mundo e se isso passar para as vossas próximas gerações…
Então o que eu nasci para ser terá sido cumprido.

Os ossos perdidos da avó Amélia são só ossos… Não guardo raiva a quem os perdeu. Fosse por que motivo fosse, sei que não imaginou a dor que causaria…
Gostava de a encontrar. Ainda quero levá-la para as flores.  Sabem porque a procuro? Porque no seu distorcido, estranho e pessimista jeito de gostar, sei que me amou…

Mas se não souber quais são os ossos da avó, que importa?
Ainda a amo.

E isso é tudo o que vale a pena. Somos só isto…
Amor.
Amo-vos. Sem interesse, sem medida, sem expectativa de retorno. Amo-vos.
É tudo o que me interessa cultivar.

20258337_1911969875722579_8039505940163283515_n.jpgPlantemos amor.

Hoje é dia do Ambiente e pela manhã deparei-me com esta notícia nos jornais:

“Uma dieta vegan, é provavelmente o melhor caminho para reduzir o nosso impacto no planeta”  Joseph Poore, University of Oxford, UK

” Dada a crise global da obesidade, mudar a dieta, tem o potencial de nos tornar a nós, e ao planeta, mais saudáveis ”. Prof Tim Benton, at the University of Leeds, UK

IMG_4104

O novo estudo, publicado na revista Science, é uma das análises mais abrangentes até à data e revela que retirar a carne e os lacticínios da dieta podia reduzir a pegada de carbono de um indivíduo até 73%. Reduziria também a área mundial cultivada em 75% e ainda assim alimentaria o mundo inteiro.

“Realmente são os produtos animais que são os maiores responsáveis (pela extinção das espécies e poluição do planeta). Evitar o consumo de produtos de origem animal traz benefícios ambientais muito melhores do que tentar comprar carnes e laticínios sustentáveis, e é muito maior do que evitar as viagens ou comprar um carro elétrico”

A pesquisa da equipa de Joseph Poore é o resultado de um projeto de cinco anos de duração, que inicialmente começou como uma investigação sobre a produção sustentável de carne e laticínios.

O cientista parou de comer produtos de origem animal após o primeiro ano de estudo…

Por aqui não comemos carne, nem peixe, nem lacticínios, nem ovos. Nada de origem animal. Eu sou vegetariana há 18 anos e vegan há 2, o marido há 6 anos e os meninos desde a gestação.

E estamos saudáveis e de consciência tranquila. Pelos animais e pela nossa casa – o planeta Terra.

Nas próximas publicações, irei compor algumas tabelas que vos ajudarão a compôr as vossas refeições vegetarianas de forma saudável.
Para bom apetite e boa consciência.

Espero que vos inspirem na vossa jornada pela defesa do ambiente!

Aconselho ainda que vejam o documentário Cowspiracy, para mais informações, e que se deliciem a encontrar receitas e muita, muita informação nutricional no blog Universo dos Alimentos.

IMG_7801

Que continuemos a Plantar Amor

Liana