Unschooling

O que é uma família?
É um conjunto de pessoas ligadas pelo ADN?
É um conjunto de pessoas que habitam a mesma casa e se encontram ao pequeno-almoço e ao jantar, normalmente cansadas e stressadas do trabalho e da escola?
São dois progenitores cujas respectivas crianças passam mais tempo criadas por outros do que por eles?
 
O que é uma família?
 
Por aqui, o conceito de família é muito peculiar…
Cresci sem pai presente, fui criada por mãe e avó, mas tive outra mãe a ajudar ao meu crescimento que não me era nada de sangue.
A que ainda hoje é minha “irmã” era uma amiga de escola, e os meus, hoje queridos, irmãos verdadeiros só os conheci já adulta.
Amo duas amigas de longuíssima data como se fossem família e há membros da família biológica de quem nos afastámos por não respeitarem espaço nem opções…
 
Amo a minha família, escolhida por mim, feita de retalhos adoptivos, feita de relações de grande verdade, sem obrigações e sem requerimentos.
 
Estamos porque queremos. Somos porque amamos.
 
O que é uma família?
Um homem e uma mulher sem tempo e paciência para criar os filhos ou aguentarem-nos sequer durante um mês e meio em casa durante uma pandemia, como temos visto nas redes sociais?
 
Ou dois homens ou duas mulheres, anatomicamente imperfeitos para criar família, que criam uma criança com amor extremo?
Ou pais adoptivos que cumprem a sua responsabilidade de amar sem medidas e sem restrições?
Ou uma casal separado que se torna feliz com a separação mas que não deixam nunca de ser pais a tempo inteiro e em conjunto?
Ou uma só mãe, como eu conheço, que faz limpezas, gerindo o seu horário, quando poderia ter qualquer outro trabalho, para poder ter mais tempo com a sua filha?
Ou um grupo de amigos verdadeiros, mesmo sem crianças envolvidas, que se apoiam no bem e no mal, na saúde e na doença?
 
O que é uma família?
 
Para mim é claro.
Uma família é respeito, verdade e amor.
Sem cedências para nenhum destes três aspectos.
Se houver crianças, então uma família tem de ser respeito, verdade, amor e tempo!
O tempo de poder Ser Família e servir de modelo ao que é Ser Família.
 
Quem encontrar isto na família de sangue, magnifico.
Quem encontrar noutros corações quaisquer, magnífico na mesma.
 
Um viva a todas as famílias que sentem o que é ser Família, sem amarras de conceitos pré-definidos, mas com verdadeiros laços de amor!
98600203_1567624030052642_4418415676973121536_n

No início da pandemia, deparei-me com as redes sociais inundadas de mães aflitas.
As escolas encerravam e as mães pediam ajuda porque “não sabiam o que fazer com os filhos todos os dias em casa”.
No “suposto fim” da pandemia, deparo-me com inúmeras publicações de mães desesperadas por despacharem os filhos para algum lado. Porque “já não os aguentam”, porque “precisam urgentemente da sua individualidade e da sua vida de volta”.

E eu vejo isto e ando angustiada…
Ando eu a pregar às pessoas que se preocupem com os seus idosos, ando eu a sensibilizar à preocupação com os animais… e afinal há mães, de famílias supostamente bem estruturadas, influencers com milhares de seguidores nas redes sociais, que não aguentam sequer estar com os próprios filhos 1 mês e meio, em casa.

Será só a mim, que esta realidade estranha, distorcida e potencialmente perigosa atinge o coração de tristeza?

Sou mãe a tempo inteiro, apesar de também trabalhar quase diariamente no meu alojamento local, apesar de fazer ensaios e concertos, dar workshops e trabalhar na agricultura e manutenção da quinta.

Mas salvo muito raras excepções, os meus filhos estão comigo, quase sempre.
E tal como as mães que se queixam nas redes, tenho dias em que já não os posso ver à frente.
Ser mãe é o trabalho mais difícil da minha vida!
Tenho dias de gritos, tenho dias de casa num caos, tenho dias de más refeições feitas à pressa, dias de birras que me parecem ridículas e extenuantes, tenho dias de cansaço extremo, e dias de ser má mãe!

Mas não tenho um único dia em que queira a minha vida de volta.
Aliás, não sei o que é querer ter a vida de volta. Esta é a minha vida! Escolhi ser mãe!

Se virmos as coisas pela matemática, o desejo de liberdade na maternidade é irónico, no mínimo.
Vivemos uma média de 80 anos.
Os nossos filhos vivem connosco cerca de 20 anos.
Mais concretamente, realmente dependentes de nós, vivem 10 anos. Mas façamos a média nos 15.
Se considerarmos que também nós não fomos independentes durante os nossos primeiros 15 anos, sobram 50 anos.
Significa que temos cerca de 50 (CINQUENTA) anos para viver “la vida loca” sem a dependência dos filhos.

Não chega????

Precisamos de hipotecar os  primeiros 10 anos deles, a empandeirá-los para as creches, para as escolas, para os ATLs, para as actividades extracurriculares, para as babysitters, para os avós, porque… precisamos desesperadamente da nossa liberdade?

1 mês e meio com os filhos em casa …

Estamos no meio de uma pandemia, em que o mundo inteiro parou de medo, e pelos vistos, nem isso é motivo suficiente para amarmos mais os nossos filhos e querermos tê-los junto a nós (aceitando que a maternidade é difícil!).

Caramba, como me aflige esta sociedade…

E não posso deixar de descobrir a enorme diferença que há entre ter filhos, e ser Mãe.

WhatsApp Image 2020-04-28 at 11.50.05.jpeg

Houve duas coisas em que a pandemia me fez parecer normal.

A primeira foi a comida, pois no inicio das compras para o estado de emergência, era aconselhado pelos nutricionistas comprar essencalmente frascos de leguminosas, cereais e vegetais. Comida vegan portanto…

A segunda foi de repente todos estarem em homeschooling como nós.

Prometi a alguns passar a publicar actividades para quem ao principio estava aflito com o “não saber o que fazer com os filhos”, mas depois desisti, precisamente por causa desta frase…

Mais do que impingir 500 actividades aos miúdos é descobrirem como voltar a ser uma família unida. Depois descobrir juntos as coisas que funcionam para a familia. Através de observação das crianças, através de tentativa e erro…
Quantas vezes já fiz actividades em que passo uma hora a preparar os materiais, para eles brincarem apenas 5 minutos e desligarem logo a seguir…
Quantas vezes actividades espontâneas e sem preparação prévia duram imenso tempo…
Quantas vezes o erro de hoje é o êxito de amanhã. E o sucesso de ontem, hoje provocou-lhes uma birra…

E mais ainda do que tudo isto, esta deveria ser a fase em que os miúdos teriam tempo para se descobrirem a si próprios (coisa que há muito o sistema escolar e pré-escolar limitaram profundamente).

Por isso, e porque o meu próprio tempo foi sobretudo de, ainda mais união com eles, não partilhei nenhuma actividade.

Mais de um mês depois, aqui fica o registo de algumas das coisas que temos andado a fazer.

Plantámos (e sentimo-nos muito, muito abençoados por o poder fazer)

94588759_367816657442136_6789953397844869120_n.jpg94978593_529585444371934_2887436316155314176_n.jpg94517719_281689332827418_9072061923859628032_n.jpg

Pintámos (em vários sítios…)

94213340_2633489410257994_6017124653414219776_n.jpg

 

93821649_536769323923168_8062365741644513280_n.jpg

Aprendemos números

93864607_279031823102140_2241008648224505856_n.jpg94195417_226943765201429_7968825872243228672_n.jpg94179851_2557910134464737_7712655863588061184_n.jpg

94429935_882650758814712_579003965648142336_n.jpg94179851_1148606005483737_6364324724381581312_n.jpg94419489_231181331444516_1330368636786835456_n.jpg

Aprendemos ecosistemas e seus habitantes animais

94365349_885606035217243_630178397900767232_n.jpg

94218286_220380162526222_1949470593204092928_n.jpg

Aprendemos letras

94224551_254798915923643_4275426590667571200_n.jpg94241081_1326989544159547_4392712805967462400_n.jpg

Cozinhámos e fomos padeiros

94259646_255643642258683_1188967374120812544_n.jpg94422648_2679028149044170_1160834715561754624_n.jpg

Aprendemos forças e gravidade

94234932_222788465819220_4304917060187586560_n.jpg

E o ciclo da água

93840238_223953708856902_3397676386515681280_n.jpg

Construímos brinquedos, com coisas velhas que temos pela quinta.

88225258_1125521931174886_7194784877588250624_n.jpg

das pernas de uma velha mesa – uma baliza

94337131_229854354920811_5455876868546756608_n.jpg

De uma prateleira de um móvel velho – um jogo dos elásticos

93961222_666565377461877_1211377371010039808_n.jpg

De molduras antigas e um pedaço de acrílico – Montessori sand boxes

94179189_892365824559557_7627987876201889792_n.jpg

94209750_178369223244193_428948764787474432_n.jpg

94641891_3147987375233460_6507503553752334336_n.jpg

Aprendemos texturas, formas, contrastes…

IMG_20190823_165903.jpgIMG_20190809_111633.jpg

IMG_20191106_183429.jpg

Fizemos hortas do Pedrito Coelho

94706476_2598302247084416_7806950929973903360_n.jpg

Aprendemos música com jogos de ritmos

93890204_843036976102021_7582631703001169920_n.jpg

Pintámos Van Gogh ao som de Beethoven

94419295_911525709291704_6969407417918423040_n.jpg

Aprendemos mais sobre o corpo humano

94138101_722403648298504_2482359374735998976_n.jpg

Vimos a Mary Poppins, o Pedrito Coelho, o Era uma vez o Corpo Humano, a Carrinha Mágica e a Masha, o Cirque du Soleil e o Moving Art e um documentário sobre o envio do rover a Marte que nos fez reflectir mesmo muito sobre o significado de aprender com os erros. Passamos muitos dias sem ver televisão (excepto o noticiário).
E por ironia, vamos em dois dias de tele escola 🙂

Lemos muito, muito, muito. E ouvimos audio books.

Dançámos e jogámos os nossos benditos jogos de emoções e partilha de conversas.

Mas SOBRETUDO chorámos, stressámos, tivémos breakdowns, zangas e… risos, muitos, muitos risos, e muita, muita ternura.

Porque, muito mais do que as aprendizagens, que às vezes resultam, às vezes não, é dos sentimentos, que é feito o amor!

Vossa
Mãe

Nesta aventura de ensinar os meus miúdos que não vão à creche, aprendo tanto…
Agora andamos a explorar a Geologia.
Por aqui, não temos um plano do que queremos que eles aprendam.
Eles questionam sobre assuntos diversos e nós exploramos com eles os seus interesses. Haverá melhor maneira de aprender do que por curiosidade e paixão?

Então, como o interesse agora partiu de um livro pop-up com placas tectónicas, aventurámo-nos pelas consequências das mesmas.

mde

Para aprender os sismos, algo com o que eles já tinham ficado muito interessados com o filme do terramoto de 1755, no Lisbon Story Center, simulámos os efeitos com pequenas cidades construídas com os brinquedos deles juntando a compreensão das diferentes dimensões com os números da escala de Richter.

mde
dav
Sobre os vulcões, fomos visitar um vulcão extinto e trouxemos algumas pedras de magma para analisar melhor no microscópio.

IMG-20191025-WA0025

IMG-20191025-WA0041

0

dav
Reutilizámos o glaciar que fizéramos com jornais, para os anos do Daniel, e tornámo-lo um vulcão, que lançava fogo e tudo 🙂 dav

 

dav

0

0-1.png

Para melhor compreender porque anda lava a sair aí pelas montanhas, ainda montámos metade de um planeta para perceber o seu núcleo quente.

dav
mde

Para os tsunamis ainda falta fazer uma simulação numa tetina de água com casinhas de brincar.

mde

Juntámos alguns documentários do canal Odisseia ou da Netflix, livros da biblioteca e de amigos, e muitas conversas, e durante algumas semanas divertimo-nos a aprender este tema.

Têm 4 anos, não espero, nem de longe, que decorem nomes de tudo. Mas sei, porque até nas suas brincadeiras sozinhos isso se espelha, que com estas actividades ficam com a noção de como a vida na Terra, no Universo, funciona.

dav

E que ficam com a ideia, de que aprender é uma brincadeira que se segue ao descobrir de uma paixão.
Que a sua aprendizagem possa ser assim pela vida toda.

O nosso calendário de Natal, não tem chocolates (embora eles surjam espaçados ao longo do mês de dezembro).
O nosso calendário é feito com o propósito de nos lembrar a magia do Natal, que inclui muitos doces tradicionais sim, mas que é muito mais do que isso.
Baseada na palavra solidariedade mas sobretudo na palavra empatia.

Aqui não recebemos prendas do Pai Natal, nem escrevemos a pedir nada. Mas gostamos do Pai Natal e vivemos a fantasia por inteiro. Aprendemos com esta história, o contrário do pedir e do receber, aprendemos a gostar de dar, só com o intuito de fazer os outros felizes.
É essa a magia que encontramos no Pai Natal.

Ao longo do mês, imitando-o, temos muitas actividades de ofertas.
A nós próprios, que também é importante, mas sobretudo aos outros.

dav

Aqui ficam os meus papelinhos vintage que eu adorei fazer e acho que estão lindos 🙂
Mas aqui ficam sobretudo as ideias:

mde

dav

Com massa de sal e farinha fizemos os nossos enfeites que servirão depois para por nos laços das prendas, como etiquetas.

IMG-20191211-WA0019

dav

  • Oferecer Compaixão
    Dar cenouras aos coelhinhos selvagens. Há uma sensação gratificante em dar algo a quem sabemos que não irá dar de volta. Aqui vamos nós a distribuir cenouras pelo bosque fora, sem esperar que os coelhinhos nos ofereçam carrinhos ou legos. Simplesmente com o espirito de ajuda. Dias plenos.

sdr

  • Oferecer criatividade
    Pintámos o nosso papel de embrulho com diferentes técnicas e foram umas horas bem divertidas.

IMG-20191211-WA0020

dav

dav

mde

– Oferecer Amizade
Fazer as prendas para os amigos.
Este ano oferecemos porta-chaves para os adultos e laços e pulseiras para as meninas.
Eles fizeram os desenhos, que diminuí de tamanho na impressora e decorei com rendas, laços e cola quente.
Ficámos muito satisfeitos com o resultado final, tão personalizado e cheio do nosso amor.

dav

dav

dav

 

mde

  • Oferecer Empatia
    Doar brinquedos a outros meninos.
    Eles estão habituados a ver os pais deixarem roupas e louças, que estejam a mais em casa, para serem doadas pela Junta de Freguesia. O conceito de passar aos outros o que temos a mais (ou comprar de outros em 2ª mão o que nos faz falta) já não é novo para eles. Mas é sempre diferente colocá-los a escolher os seus próprios pertences, nomeadamente o que lhes dá alegria diária como os brinquedos.
    E foi maravilhoso ver a facilidade que tiveram na partilha e como queriam anda dar mais do que eu estava à espera. Fiquei muito feliz com esta prova de que o exemplo ensina.

dav

bty

edf

Tenho muito, muito cuidado com o açúcar ao longo do ano, mas as férias, as festas de anos e o Natal estão reservados para o excesso.
Aqui um suculento chocolate quente e umas bolachas de gengibre e canela com muito sabor a Natal. Tudo vegan e saboroso.

mde

mde

  • Oferecer Reconhecimento
    Fazer uma prenda para os bombeiros e levar.
    Por norma, estendemos o reconhecimento também à comunidade com prendinhas simbólicas feitas em casa, bolachinhas, broinhas, bombons… Levamos ao padeiro, ao senhor da oficina, ao senhor que corta o mato, aos vizinhos… pessoas que de uma forma ou outra tornam a nossa vida mais segura, mais fácil (ou mais saborosa).
    E como a gratidão gera sempre retorno, os bombeiros foram mostrar os carros e até ligar a sirene para deleite dos miúdos.

mde

dav

  • Oferecer deslumbre
    Ir passear a Lisboa para ver as luzes de Natal.

sdr

dav

– Oferecer Memórias

Fazer as broinhas da avó Amélia

A avó Amélia é na verdade a bisavó deles, que eles já não conheceram, mas que continua a ser uma memória muito importante na nossa família.
Agora recordamo-la através dos sabores que nos deixou e agora sou eu e a minha mãe a ajudá-los a prepará-las.
Ao longo do mês juntamos também os bolinhos de limão da bisavó Adelina, que fazem com o pai.
As tradições de familia, em forma de receita veganizada, a tornarem-nos mais conscientes de que pertencemos a um clã, a uma pequena comunidade de entreajuda e de pertença através do amor e das recordações.

mde
dav
– Oferecer Retorno
A Natureza dá-nos tanto, tanto, sem pedir nada em troca.
Desta vez homenageámos essa dádiva tão generosa.
Fomos plantar uma árvore autóctone, um carvalho, no meio da serra, sem dele esperar colher frutos ou sombra. Apenas dar, como consequência do muito que recebemos.

dav

mde

  • Oferecer tradição
    Fazermos o nosso bolo rei é tradição lá em casa e fez com que o pai, que não gostava dos bolos das pastelarias o passasse a devorar.
    É sempre mágico partilhar momentos de farinha, enfeitar com frutos de cores vibrantes e esperar o resultado final que sai do forno.

10fa2c726bb5e336f22649466b148924.0

 

dav
– Oferecer Diversão
No natal tentamos ir sempre a um carroussel. Sempre foi um objecto mágico para mim e agora ainda mais com eles fazendo parte daquele rodar e rodar e subir e descer, como a vida em ciclos permanentes de altos e baixos.

– Oferecer Partilha
Durante as nossas viagens de carro para a piscina ou supermercado, construímos todos juntos uma bela história de natal.
Foi um processo criativo e de entretenimento fantástico que resultou numa história muito baseada nas aventuras da nossa família, com um toque de pó de fadas. Que bela prenda para contar na noite de natal.

dav

dav

mde

Este ano, para além da história, houve um “concerto” e um “bailado” oferecido por eles. Tornou tudo tão mais lindo…

DSC_0194

mde

  • Oferecer Magia
    No dia de Natal, neva sempre lá em casa. Uma máquina de neve por 80 euros foi a prenda de anos que ofereci a mim própria há uns anos atrás e de então para cá, construímos uma memória inigualável de acordar todos os dias 25 de Dezembro para uma manhã de neve.
    Este ano alguns amigos juntaram-se a nós, uma delas tao doida (ou mágica) como eu, que se mascara sempre de duende nesta data, e foi ainda mais divertido.

DSC_0303

6200681b0de7eb391333b29fda4fd846.0

A Oferta de Amor, foi dos momentos mais maravilhosos do natal, em que mesmo eles pequeninos, conseguiram identificar aquilo que mais apreciavam em nós e estar gratos por isso.
Foi um momento de tal forma puro e emotivo que nos levou às lágrimas.

Estas ofertas de uma calendário diferente, tornaram sem dúvida o nosso Natal mais feliz e compreensivo da sua verdadeira mensagem.

84ba844f65f3ec75db736f0ef9f79be7.0

Que continuemos a Plantar Amor.

Que belo dia.
Por desafio de uns amigos especiais, hoje fomos ao Ribatejo no que, se andassem na creche, seria uma saída de campo ou visita de estudo. Só que com tempo para explicar à sua escala e responder a todas as suas questões.
Fomos aos arrozais ver bem de perto as ceifeiras debulhadoras na apanha do arroz e o processo mecânico numa fábrica, desde o armazenamento nos silos até ao descascar, à separação da trinca, ao embalamento…
Tantas máquinas para lhes povoar a mente de engenhocas.

IMG_20191021_145804.jpg

IMG_20191021_163652.jpg

Pelo caminho, ainda vimos o voo magistral das cegonhas, garças brancas como a neve e as pomposas garças reais, ibis en bando, pardais e falcões, e outros habitantes dos arrozais como os lagostins no lodo, a ficarem chateados por os arrozais estarem a secar.

IMG_20191021_164547.jpg

IMG_20191021_164457.jpg

E até no carro nos entretivémos a encontrar formas nas nuvens, por meio de um magnífico céu de Outono em vários tons.

Já mesmo no final, e como se ainda não chegasse, descortinámos um hangar muito perto e a nosso pedido, um simpático construtor de avionetas deixou-nos andar ali a inspecionar…

IMG_20191021_174322.jpg

Hoje aprendemos tanto. Hoje eles trazem a mente cheia de ideias e eu um coração feliz.

Para fazerem o mesmo, podem contactar a empresa #bomsucesso
Nós iremos tentar organizar uma saída deste género uma vez por mês. Perfeito.

No meu Instagram (LianaFadooficial) há várias fotos desta aventura. Visitem.